Chamar a si mesmo de líder? Liderança não é um título, é uma ação! | Thomas.co
Submitted by William Beaumo… on Thu, 14/07/2022 - 20:00

Por Dr. Mark Slaski - Psicólogo Organizacional, WorkplaceBuzz 

No mundo pós-pandêmico, os líderes bem-sucedidos serão aqueles que podem capacitar e realmente desbloquear o potencial de suas equipes - 7 coisas que você deve fazer de forma diferente amanhã para se envolver emocionalmente e capacitar sua equipe.

Uma noite, no início de fevereiro de 2014, Carl, um homem de 34 anos de idade, que trabalhava com remoção de móveis, estava assistindo às notícias na TV. O artigo de manchete relatou o desenvolvimento de terríveis inundações na Cornualha - dias de chuva forte e ventos fortes coincidiram com as marés da primavera. Tempestades e enchentes ameaçavam dominar dezenas de cidades e vilarejos agarrados à frágil costa da Cornualha - as pessoas precisavam de ajuda!

Carl não podia sentar e assistir à distância, deixando seu trabalho para trás, ele passou os próximos 8 dias trabalhando como voluntário na cidade de Fowey. Ao chegar, Carl percebeu que não estava sozinho, dezenas de voluntários se reuniram, todos desesperados para ajudar. A organização e a coordenação eram irregulares, então, dadas suas habilidades, Carl assumiu a tarefa de formar uma equipe que enchia, carregava e empilhava sacos de areia. Durante os dias seguintes, com muito pouco sono, Carl e sua equipe salvaram as propriedades e o sustento de centenas de pessoas.

Em dezembro de 2004, Tilly Smith, de 10 anos, estava de férias com sua família em Phuket, Tailândia. Caminhando na praia no dia seguinte ao Natal, ela notou a maré vazando e o mar "borbulhando e espumando". Ela se lembrou que já havia visto isto antes em uma aula de geografia na escola - eram os sinais de alerta de um tsunami.

No início, os pais de Tilly ignoraram seus pedidos para que eles escapassem da praia, mas Tilly estava 100% certa de que um tsunami era iminente - todos estavam em perigo. Não sendo ouvida, ela levantou sua voz - ela começou a gritar "vai haver um tsunami, temos que sair da praia, temos que correr". Vendo a intensidade e a convicção em sua filha, o pai de Tilly agiu e, junto com um segurança, todos correram pela praia gritando para que todos corressem para terrenos mais altos.

Todos começaram a correr, havia pânico.

À medida que chegavam a um terreno mais alto, os turistas observavam horrorizados uma enorme onda subindo a praia e entrando no hotel. Por causa das ações de Tilly naquele dia, mais de 100 pessoas na praia foram salvas do tsunami que tirou 230.000 vidas em questão de horas em toda a Ásia. 

Além de nos ensinar a respeitar sempre o poder da natureza, o que estas histórias têm em comum é a liderança - "o ato de influenciar um grupo de pessoas a agir em direção a um objetivo comum". Nem Carl nem Tilly se autodenominaram líderes ou jamais receberam qualquer treinamento formal de liderança, até o dia em que sua liderança foi espontânea, total e eficaz.  

Há duas conclusões que podemos tirar desses eventos. Em primeiro lugar, "líderes" e "liderança" podem estar mais amplamente distribuídos em torno de nossas organizações do que geralmente consideramos. A liderança pode vir de qualquer lugar - dadas as condições e circunstâncias certas. Em segundo lugar, revelar seu potencial e encorajar as pessoas a se apressarem a desafiar, pode exigir que nossos líderes designados se concentrem mais na criação do ambiente psicológico ideal no qual outros possam florescer - uma cultura de empoderamento. 

Modelos de liderança tradicionais e racionais instam os líderes a terem poder sobre seus seguidores e a vê-los como destinatários de liderança. Estes tempos de transformação pós-COVID quase certamente exigem uma abordagem mais progressiva, uma em que os seguidores co-criem e influenciem seu futuro, e uma em que os líderes definam direção, lutam por recursos, estabelecem as regras, empoderam os outros e arbitrem a ação.  

A questão permanece - como os líderes habilitam os outros e criam uma cultura de empoderamento? Com base em pesquisas científicas, este artigo apresenta algumas ideias para criar um maior empoderamento e é sustentado por três princípios fundamentais:  

  1. Liderança é ação - não um título. Os líderes pós-Covid se destacarão não apenas pelo “o que fazem”, mas, mais importante, pela “maneira como eles fazem” — como eles se comportam e gerenciam o cenário psicológico. Os líderes precisarão exercer inteligência emocional e agir com confiança, compaixão e empatia. Às vezes eles precisarão mostrar forte amor. 
  2. Os seguidores são emocionais - nestes tempos sombrios e em rápida evolução, as pessoas vão olhar para os seus líderes para alimentar sentimentos de tranquilidade, apoio e segurança. Ter um plano não é suficiente sem paixão e propósito. As pessoas são emocionais, e as equipes mais eficazes serão aquelas cujos líderes podem levantar, inspirar, animar e crescer seu pessoal. 
  3. Muitas pequenas ações fazem uma grande diferença - ganho marginal. Nossas pesquisas em muitas organizações mostram que os líderes e gerentes que adotam uma série de mudanças micro-comportamentais têm um impacto significativo na cultura, no engajamento e no desempenho de suas equipes.  

1. Construa confiança 

Sem dúvida, o fator número um relacionado ao engajamento, bem-estar e desempenho das pessoas no trabalho é confiar naqueles com quem trabalhamos, e particularmente em nosso gerente imediato. O sentimento de confiança é a cola que une grandes equipes - eles se conhecem de dentro para fora, eles estão juntos e podem contar uns com os outros.  

  • A confiança é construída sobre o conhecimento. Reserve tempo para realmente conhecer sua equipe - suas paixões, sonhos e aspirações. 
  • Deixe tempo nas reuniões para as atividades de “conhecer você”. 
  • Aproveite ao máximo todas as interações e conversas para criar confiança. Faça conversas menos sobre trabalho e mais sobre elas - e compartilhe um pouco da sua própria história. 
  • Encontre maneiras de mostrar à sua equipe que eles podem contar com você - você conhece os interesses deles! 

2. Ouça  

Grandes líderes compreendem que as pessoas precisam se expressar emocionalmente e, ao mesmo tempo, ter ideias e opiniões valiosas. Ser escutado faz com que as pessoas se sintam incluídas e parte da equipe. Ouvir é um trabalho árduo e requer esforço. 

  • Dar voz significa ouvir mais do que falar, pedir mais do que dizer - pratique suas habilidades auditivas e habilidades de facilitação. 
  • Faça tempo em reuniões para as pessoas expressarem suas ideias e opiniões.  
  • Incentive o desafio, nomeie um advogado do diabo para adicionar alguma abrasão criativa. 
  • Meça e acompanhe o engajamento e o bem-estar de seu povo. 

3. Crie desafio  

É de importância fundamental para as pessoas que o seu trabalho traga um bom nível de satisfação, confiança e alegria. Isto é conseguido em grande parte através de um trabalho proposital que desempenha os seus pontos fortes e oferece uma sensação regular de realização.  

  • Identifique os pontos fortes de assinatura das pessoas e as principais vulnerabilidades. Jogue com seus pontos fortes e gerencie suas vulnerabilidades. 
  • Crie desafios de curto prazo para que as pessoas experimentem vitórias e sucessos regulares - dê para as pessoas a tarefa de entregar um trabalho fora de sua zona de conforto. 
  • Delegue mais responsabilidade dando a outras pessoas a oportunidade de liderar e gerenciar projetos e atribuições especiais. 
  • Use a psicometria para explorar os pontos fortes e vulnerabilidades das pessoas 

 

Image removed.

4. Empoderamento  

Líderes eficazes são flexíveis com a liberdade e a autoridade que oferecem às suas equipes. Às vezes, a situação exige mais controle, outras vezes os líderes reconhecem o seu melhor para sair do caminho e deixar as pessoas agirem. Geralmente, as pessoas são mais engajadas e criativas quando são confiáveis para tomar decisões e têm a liberdade e a flexibilidade para escolher como fazem seu trabalho. 

  • Desenvolva suas habilidades de delegação e empodere sua equipe com mais propriedade e responsabilidade. 
  • Seja aberto e encoraje as pessoas a usar sua imaginação e criatividade para gerar novas ideias. 
  • Incentive o trabalho em equipe colaborativo. Sempre que possível, dê tarefas a pares em vez de indivíduos. 

5. Destrua a Incerteza  

Não há maior causa de ansiedade do que o medo do desconhecido. Os líderes têm um papel absolutamente crítico durante uma transformação para fornecer clareza e perspectiva. 

  • Reconheça a incerteza e diga às pessoas o que você sabe e o que você não sabe - seja claro e explique como você vai fornecer mais clareza. 
  • Pergunte aos membros da equipe como você pode tranquilizar e quais informações eles precisam. Quais são as suas preocupações? 
  • Compartilhe a visão e a estratégia da organização e especificamente como a contribuição de sua equipe faz a diferença.  
  • Acompanhe sempre conversas e reuniões com um resumo formal de discussões, próximas etapas e ações acordadas.  

6. Aumente a confiança 

Os líderes bem-sucedidos compreendem o poder do reconhecimento para aumentar a autoestima, a confiança e o otimismo. A confiança é a energia do empoderamento. Elogio e apreciação pagam diretamente na conta bancária emocional das pessoas e as vinculam à equipe e a seu propósito. 

  • Tenha o hábito de usar elogios - faça com que as pessoas saibam em privado e publicamente que eles são valorizadas. 
  • Incentive as pessoas a compartilhar quando tiverem recebido reconhecimento de clientes e colegas. 
  • Na sua próxima reunião, peça a cada pessoa que reconheça a contribuição de um colega. 
  • Recompense o pessoal com presentes improvisados de gratidão, por exemplo, vales surpresa ou uma cesta em casa.  

7. Invista no Desenvolvimento 

Não há razão para que o desenvolvimento das pessoas deva parar em tempos de transformação significativa. Um mundo em constante mudança significa que as pessoas precisarão aprender e desenvolver continuamente seu talento e capacidade. Líderes inteligentes percebem os benefícios de investir em seu pessoal, não menos importante para elevar a autoestima e incutir um senso de orgulho. 

  • Atualize-se com a política atual de aprendizagem e desenvolvimento e com qualquer treinamento disponível. 
  • Reserve um tempo com as pessoas para discutir suas ambições profissionais e objetivos pessoais. Como você pode ajudá-los a ter sucesso? 
  • Exponha as pessoas a tantas experiências diferentes quanto você puder. Criar oportunidades de networking e aprendizado em toda a organização. 
  • Incentive as pessoas a refletir regularmente sobre seu aprendizado e sobre o que poderiam ter feito de diferente. 

A trágica pandemia de Covid ameaça continuar e o mundo volta ao trabalho com uma sensação de trepidação. Para a maioria, novas formas de trabalho surgiram e mudaram o mundo para sempre. Fundamental para um retorno ao lucro e ao crescimento será a capacidade dos líderes de realmente desbloquearem o potencial e capacitarem suas equipes - para construir uma cultura onde as pessoas se sintam confiantes! 

Liderança não é um título, ou um direito; liderança é muitos pequenos comportamentos humanos. Este artigo sugere que os líderes podem transformar e fortalecer suas equipes através da adoção de algumas ações simples de inteligência emocional - coisas que você pode fazer de forma diferente amanhã. Embora, a princípio, mudar seu comportamento possa parecer desconfortável, eu o encorajaria a tentar apenas algumas das ações acima - você pode se surpreender com o resultado. 

Image removed.

Se você quiser mais informações sobre como é um bom líder - baixe nosso whitepaper "6 principais características para ser um grande líder" ou entre em contato conosco para mais informações.